Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um ar de sua Graça

Os meus presépios

Já por aqui deixei escrito que foi a minha filha que me estimulou a realizar trabalhos em feltro.


Estava numa fase da vida em que necessitava de ocupar as mãos para libertar a mente e lavar a alma. Em momentos de grande stress ou cansaço, nada melhor do que ter as mãos ocupadas. Não conheço melhor terapia. À falta de melhor, nem que seja a arrumar roupeiros. Mas aprecio algo mais criativo.


O Natal avizinhava-se e a minha filha sabendo da minha paixão por presépios mostrou-me alguns que encontrou na internet. Achei-lhes graça. Não mexia em agulhas e linhas há uma eternidade. Mas se naquele momento procurava algo que me ajudasse a ultrapassar as tempestades da vida, que importância tinha a imperfeição da peça executada?

 

Absolutamente nenhuma! E comecei por este presépio.

 

IMG_5607.jpg

 

Não precisei de moldes. Olhei para a imagem no computador e desenhei-o. Os pontos saíram incertos, um mais abaixo outro mais acima. A distância entre eles também variava. Mas fiquei feliz. Era a minha primeira obra. E percebi que fazer estes trabalhos era pura terapia. Sentia-me mais relaxada e entusiasmada. Cheia de ideias. Era por ali o caminho. E todos cá em casa, satisfeitos com o meu entusiasmo, até me faziam acreditar que de verdadeiras obras de arte se tratavam.   


Seguiram-se outros presépios. Os pontos foram ficando mais certinhos e fui criando os meus próprios modelos.

 

IMG_0612.jpg

 

Os mais bonitinhos e perfeitinhos foram oferecidos a familiares e amigos. E desses não tenho fotos. É que a ideia do blog ainda não nos tinha ocorrido… Ponto… Pára tudo…


Já sei o vai por aí…


Vislumbro um sorrisinho ao canto dos vossos lábios; adivinho o que vos vai no pensamento:


“ Olha para esta, sabe-a toda! Que grande espertinha! Como não tem fotos diz que os presépios até ficaram perfeitinhos!!!”


Depois experimentei outras técnicas. Mas tenho um defeito. Faço apenas para experimentar. Usei pasta de modelar – fiz apenas um presépio; pintei numa pedra da praia – fiz apenas um; Usei pauzinhos – fiz apenas um; Fiz em crochet – fiz apenas dois…  E assim não aperfeiçoo nenhuma das técnicas!

 

IMG_0609.jpg

IMG_5600.jpg

IMG_5602.jpg

IMG_5603.jpg

IMG_5604.jpg

IMG_5605.jpg

 

Presentemente gostaria de treinar os presépios em crochet. Vejo-os lindos mas não são tão fáceis de fazer como parecem.


O último presépio aqui apresentado foi terminado há poucos dias e feito muito, muito à pressa. E, muito encarecidamente, peço-vos o de  favor de não reparem na ovelha ou, para ser mais exacta,  na pseudo-ovelha. É que a pobrezita saiu-me com focinho de rato, orelhas de porco e patas de escadote… Foi o melhor que se pode arranjar. Muito agradecida…

 

IMG_5613.jpg

 

 

E já agora, para todos vós, um feliz Natal com muita Saúde Paz e Harmonia.

Os Natais da minha vida

Gosto do Natal. Embora esta quadra desperte em mim sentimentos contraditórios.


Incomoda-me o consumismo desenfreado, irrita-me a corrida desvairada de loja para loja. Choca-me o culto do objecto.


Gosto do Natal na sua verdadeira essência, pela celebração do nascimento de Jesus, pelo que simboliza em termos de partilha e de dádiva, de união da família.


Recordo com carinho os doces Natais da minha infância e adolescência. Vivendo longe de CASA, entendendo-se, por CASA a nossa terra natal e a casa dos meus avós, o Natal era o momento dos encontros familiares.
Quando vivíamos no Alentejo estávamos a cerca de 500 Km de distância. E, naquele tempo, 500 Km eram bem mais compridos de que hoje.


As estradas eram péssimas, estreitas, esburacadas e cheias de curvas. O nosso carro era velho, a cair de podre, comprado para aí em décima segunda mão. Numa única viagem tivemos três furos e demorámos 16 horas.


Mas chegávamos de coração cheio. E que alegria rever os meus avós, tios e primos, os tios que lá viviam e os que também, tal como nós, se deslocavam à terra para em conjunto celebrarmos a festa da família.   


Recordo as consoadas na cozinha do meu tio Zeca, junto da grande lareira à volta da qual todos nos reuníamos. Esqueciam-se as tristezas, as preocupações. Só havia alegria e boa disposição, celebrando o prazer de estarmos juntos. E que conversas saborosas adoçadas pelos velhozes que a minha tia ia fritando e que comíamos ainda quentinhos.


Depois, noite dentro, chegava o Menino Jesus. Descia pela chaminé e deixava os presentes nos sapatos que colocávamos na lareira antes de irmos para a cama.
A noite era mal dormida. Ansiavamos pelo clarear do dia para corrermos para a cozinha e depararmos com a surpresa dos presentes. Alegria no estado puro.
Tentei transmitir aos meus filhos a magia dos Natais que vivi. Mas não consegui competir com o markting televisivo nem com os coleguinhas de infantário que recebiam presentes oferecidos pelo Pai Natal colocados junto da árvore. De Menino Jesus nem rasto…


 Quando tentava que deixassem os sapatos junto do fogão, olhavam-me de soslaio,  argumentando com todo o pragmatismo que não havia Pai Natal que descesse pelo exaustor… E dei-me por vencida…  


Para mim, mais do que a árvore, são os presépios que melhor simbolizam o Natal. Representam a Natividade e a união da família.


Há poucos anos comecei a coleccioná-los. Presentemente são 101. Uns comprados por mim, outros oferecidos. Os meus filhos têm contribuído bastante para o engrossar deste número. Tenho-os nos mais diversos materiais, uns de prata outros de lata, de madeira, barro, pano ou serrapilheira. De plasticina, lã, cortiça ou com traços de tinta da China. Uns mais tradicionais, outros mais originais. Os nacionais e os internacionais.


Decorar a casa com eles leva o seu tempo. Muito tempo. Mas é grande o prazer ao ver a casa preparada para as festividades que se aproximam.

 

1 (1).jpg

2 (1).jpg

3.jpg

4.jpg

9.jpg

13 (1).jpg

8.jpg

5.jpg

6.jpg

7.jpg

10.jpg

11.jpg

12.jpg

14.jpg

15 (1).jpg

16 (1).jpg

17.jpg

18.jpg

 

 


   


 

Como os primeiros se podem tornar os últimos

IMG_5475.jpg

 

Quando aprendi a bordar a ponto de cruz e comprei a primeira revista, este Pai Natal chamou-me logo a atenção. Fiquei encantada com ele e de imediato decidi que iria ser a minha primeira obra. Os meus filhos, ainda pequenos, iriam ficar felizes por vê-lo a decorar a casa na quadra natalícia.


Mas o Natal ainda vinha tão longe que resolvi bordar primeiro um quadro para o quarto da minha filha. Faltavam tantos meses, iria ter tempo para tudo.


Mas a gestão do tempo nunca foi o meu ponto forte. Chegou o Natal…. E o quadro da minha filha por acabar.


O Pai Natal podia esperar mais um anito…


Quadro terminado.


Tccchhhiiiii! Faltava tanto para o próximo Natal!


Dava tempo para fazer outro quadrito para o quarto da miúda. É que um quadro só na parede dava assim um ar de coisa abandonada.


E chegou outro Natal…


 O Pai Natal continuava a esperar pacientemente escondido entre as páginas da revista.  


Ao todo fiz cinco quadros para o quarto da pequena. Na parede faziam uma composição engraçada. Predominavam os tons de rosa, a cor que a minha filha preferia quando era criança.


E vários Natais se passaram…


 E o Pai Natal continuava a aguardar pacientemente a sua vez.


Depois mudámos de casa.


 A cozinha com uma barra em azul estava mesmo a pedir uns quadros nesta tonalidade.
 E bordei quatro quadros que ainda por lá estão. (É verdade, eu que já andei por aqui a postar rendas e bordados da cozinha, esqueci-me dos quadros a ponto de cruz. Qualquer dia por aqui aparecerão).
Depois seguiram-se os quadros alusivos ao meu casamento e ao dos meus pais. Mais alguns que bordei para oferecer a amigas.


E o Pai Natal esperando…


Depois… o entusiasmo pelo ponto de cruz foi esmorecendo…
É que os meus olhos pediam clemência. Aquele quadrilé fino com aqueles buraquinhos invisíveis deixavam-me atordoada e com dores de cabeça monumentais.


Esqueci o Pai Natal…


Há alguns anos volto a folhear a revista e lá continuava o Pai Natal de saco às costas carregadinho de prendas. Olhava-me com um ar levemente irritado. Afinal as promessas são para cumprir e eu falhara.
 Quem promete e não cumpre vai para o inferno! E com coisas sérias não se brinca. E promessas ao Pai Natal são para levar mesmo, mesmo a sério.


Falhara com ele e com os meus filhos que, agora já adultos, nunca tiveram o prometido Pai Natal a colorir as festas natalícias da sua infância. Senti-me em dívida para com ele e para com os filhos. Mas as dívidas podem ser pagas e as promessas podem ser cumpridas. Fui à retrosaria e pedi o quadrilé com os maiores quadradinhos que lá houvesse e comprei linha de bordar adequada.


E lá comecei a minha obra.


Entusiasmei-me e bordei-o em três tempos, ora piscando o olho direito, ora piscando o olho esquerdo, lacrimejando. Vendo tudo enevoado! Muitas dores de cabeça à mistura. Mas nada me tirou o prazer de o bordar.  Depois de emoldurado passou a fazer parte dos nossos Natais. Há uns quatro ou cinco anos.

 

IMG_5477.jpg

 
Há relativamente pouco tempo ainda me enchi de boa vontade e comecei a bordar um presépio. Muito simples. Mas onde estavam os quadradinhos e os buraquinhos para enfiar a agulha?!


Nem vê-los! E desta vez nem o Menino Jesus me valeu.

 

 Podem também seguir-me no Instagram!