Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um ar de sua Graça

Um saco super chique versus uma alcofa proletária

IMG_0106.jpg

 

Há uns três anos comprei uma alcofa. Simples, Sem quaisquer enfeites, limpinha. E barata. A finalidade era personalizá-la à minha maneira.


Fui buscar a caixa dos novelos de linhas de crochet, escolhi cores diversas, e fui fazendo rosetas ao sabor da inspiração do momento. A minha mãe deu uma ajuda.


Por fim, aplico as rosetas na alcofa, compro um galão com pompons e ficou pronta. Peça única.


Poucos dias depois fui de férias e a alcofa acompanhou-me. Com a toalha de praia, o protector solar e um livro para ler. De manhã ia para a praia, ao fim da tarde para a piscina do hotel. Ora aí, alapava sempre ao nosso lado a mesma  família – pai,  mãe e menina .


Tinham pronúncia do norte.


Ele, sempre agarrado ao telemóvel e aos negócios. Presumo que era empreiteiro, pelas conversas que ia ouvindo. Peço desculpa, não fiz de propósito, não tenho o hábito de escutar conversas alheias mas o homem falava alto.


Ela, toda finaça, toda marcas chiques, patenteando bem o alto estatuto a que pertenciam.


Ele, alheado de tudo o que se passava à sua volta. Os afazeres profissionais não o deixavam usufruir do sol, da água, da espreguiçadeira, das férias.


Ela, sempre a olhar para mim… Sim sempre a olhar para mim.


Sim, eu sei o que estão a pensar. “Se sabes que ela olhava para ti é porque tu também olhavas para ela!”… Pois… mas não era exactamente a mesma coisa… Ela olhava ostensivamente, directamente, descaradamente… enquanto eu olhava disfarçadamente… dissimuladamente, como quem não quer a coisa. Punha os óculos de sol do meu marido, fingia que lia e olhava pelo canto do olho. Qual agente secreto em acção!


É que eu estava intrigada, mesmo muito intrigada! Que interesse teria eu para aquela senhora?  


Quando queria chamar a minha atenção, porque me via mais entusiasmada com o livro que estava a ler e mais alheada do mundo à minha volta, a senhora tilintava as inúmeras pulseiras que trazia no pulso. Eu levantava a cabeça e uma vez captado o meu olhar, a senhora mexia e remexia ostensivamente no seu grande saco Louis Vuitton. Normalmente, nem tirava nem punha nada lá dentro. Só mexia no saco.   


Do alto da sua imponência lançava-me um olhar altivo e um sorrisinho sobranceiro mal dissimulado.  


Olhei-a mais atentamente. Afinal, o olhar da senhora não se centrava única e exclusivamente na minha pessoa. Ia oscilando de minha pessoa para a minha alcofa das rosetas.


Então fez-se luz!


A senhora estava incrédula que houvesse alguém, tão pelintra e com tão mau gosto que  usasse uma alcofa de palha com rosetas em crochet do tempo das nossas avós! Como é que eu ousava pisar o mesmo espaço se vivíamos em galáxias tão distantes? Enfim, eu era quase um extra-terrestre.

 
Todos os fins de tarde se foram passando assim, iguais, repetindo-se a cena ao longo da semana.  E cada uma ficou na sua. Ambas felizes e contentes com aquilo que somos e temos. Ela feliz e contente com o seu sofisticado saco, eu feliz e contente com a minha alcofa “made by Graça”.


Confesso que foram os fins de tarde à beira da piscina que até hoje mais me divertiram.


Acreditem, quem estivesse de lado a observar-nos fartar-se-ia de rir. Acho até que daria um filma cómico. Mudo!

 

IMG_0110.jpg

IMG_0108.jpg

 

 Podem também seguir-me no Instagram!