Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Um ar de sua Graça

Vestir a casa com as cores de Outono

IMG_7696 (1).jpg

 

Gosto do Outono. Bastante. No entanto, nem sempre foi assim.


Quando era menina e moça, o Outono era a estação do ano de que menos gostava. Por tudo aquilo que simbolizava. O Outono era o tempo de todas as finalizações, o fim de tudo aquilo que me fazia feliz. Das férias grandes, dos dias quentes e infindáveis, da ausência de compromissos, do tempo sem relógio.


Com o Outono, o retomar das rotinas, dos horários a cumprir, das corridas diárias, das obrigações, das noites longas sem fim, provocavam-me uma certa nostalgia.
Com o decorrer do tempo, e o avançar da idade, aprendi a saborear o Outono, a apreciá-lo na sua essência.


Gosto do Outono. Bastante.


Aprecio as cores. Os verdes desmaiados das folhas de algumas árvores que tão bem combinam com os tons secos e amarelados de outras. Gosto das folhas dos plátanos que se desprendem dos ramos, amarelecidas e avermelhadas. Assistir ao seu bailado ao sabor do vento, em remoinho, para depois serenarem atapetando o chão.


E os cheiros? Que bálsamo para a alma.


O cheiro a castanhas assadas, o cheiro a terra molhada, o cheiro das plantas orvalhadas, o cheiro da lenha a arder nas lareiras.


Gosto do Outono. Bastante.


Das manhãs enevoadas, das tardes de chuviscos, da frescura dos dias, das noites intermináveis.


Gosto do Outono. Bastante.


Por tudo isto resolvi trazê-lo para dentro de casa e vesti-a com as suas cores.


Comprei uma tela, fui buscar o cesto dos novelos e escolhi as cores que me lembram esta estação. Fui crochetando flores, folhas, troncos, bolotas  e um  vaso.
Depois… colei.


Sou eu e o MacGyver… Ele com o canivete e eu com o tubo de cola somos verdadeiramente imbatíveis…


Há quinze dias que está pendurado no corredor. Por um tempo limitado. É que, não tarda nada, está aí o Natal e outro quadro ocuparará o seu lugar.

 

IMG_7700 (1).jpg

 
Nota: Esta descrição do Outono não passa, infelizmente, de pura ficção. O Outono tem andado por outras paragens, não por aqui. O Verão teimou em ficar, quente, abrasador, destruidor, mortífero. E um país vai desaparecendo aos poucos.   

2 comentários

Comentar post